Maestro Pedro da Cruz Salgado (1890 – 1973)

Músico fluminense, morador do bairro de Perus e patrono do Projeto História da Música de Perus

APRESENTAÇÃO

O projeto História da Música de Perus nasceu no ano de 2013 com o objetivo de pesquisar e tornar pública a história da música deste bairro da zona noroeste de São Paulo (SP). Inicialmente, o resgate da história incluía grupos de Rock da região que tocaram entre as décadas de 1980 e 2010.

Após compartilhar meus planos com amigos e familiares, surgiram dúvidas, críticas, sugestões e, ao longo dos anos, a proposta tornou-se mais abrangente: contar a história da música de Perus, independentemente do gênero musical. O projeto cresceu para que pudesse contemplar o máximo possível da produção musical da região.

A expansão temática da pesquisa justifica-se pela universalidade da música que está presente na história do bairro: das antigas bandas que animavam os bailes da Companhia de Cimento Portland Perus, também dos antigos salões de bailes MABRA e Carramanchão; do samba, que deu origem à Praça do Samba; das músicas dos diversos cultos religiosos; da força do movimento Hip Hop com o Rap; do resgate do jongo na Praça Inácia Dias; dos cortejos de maracatu; além do funk e das diversas vertentes que utilizam a música como parte ou como pano de fundo de suas manifestações políticas, artísticas e culturais.

Após uma pausa na dedicação ao projeto, com a ideia mais amadurecida sobre propósitos, no ano de 2019, fiz o levantamento de três grandes músicos que moraram em Perus: o maestro Pedro da Cruz Salgado, o maestro Luiz Milano Filho e João Rufino Fernandes Moreno.

Como esses músicos já morreram, procurei por familiares e pessoas que tiveram alguma ligação com tais personalidades para encontrar informações sobre suas produções e como ela repercutiam na região de Perus. Algumas dessas pessoas foram entrevistadas, contaram suas histórias e já integram o acervo do projeto.

A pesquisa do projeto História da Música de Perus inicia o ano de 2020 com novidades:

  • o site oficial do projeto, com propostas e espaço de postagens para os avanços da pesquisa;
  • A criação das redes sociais, incluindo grupo no Facebook , perfil no Instagram  e canal do YouTube , para a divulgação dos conteúdos exclusivos da pesquisa.

Ainda há muito trabalho pela frente para contar essa história. Se você se interessa pelo assunto, entre em contato e ajude nesse grande projeto.

Leave a Reply

Your email address will not be published. Required fields are marked *

You may use these HTML tags and attributes:

<a href="" title=""> <abbr title=""> <acronym title=""> <b> <blockquote cite=""> <cite> <code> <del datetime=""> <em> <i> <q cite=""> <s> <strike> <strong>